Dieta anti-inflamatória: combate a obesidade e previne doenças crônicas


A obesidade, a inflamação crônica e a probabilidade de desenvolver doenças não transmissíveis estão intimamente relacionadas. Portanto, seguir uma dieta anti-inflamatória ajuda a reduzir os fatores de risco e melhora significativamente nossa saúde. Descubra por quê.

A terapia para doenças crônicas relacionadas a estados inflamatórios deve ser acompanhada por uma dieta adequada. Para aqueles que sofrem dessas condições, é importante saber quais alimentos podem piorar os sintomas e quais têm um efeito positivo. Como funciona uma dieta anti-inflamatória?

A dieta anti-inflamatória e as DNTs

As doenças crônicas não transmissíveis (doenças não transmissíveis, DCNT) têm uma origem comum: inflamação. A saber, a inflamação crônica é o principal fator causador dos distúrbios metabólicos. Portanto, as chances de desenvolver uma doença crônico-degenerativa aumentam.

É um fator chave na patogênese da disfunção endotelial, bem como na aterosclerose. Uma dieta anti-inflamatória é, portanto, um elemento chave na prevenção e tratamento deste grupo de doenças.

O que é inflamação?

De acordo com pesquisa conduzida por Strowig em 2012, a inflamação aguda é uma resposta fisiológica à infecção ou dano tecidual. Em outras palavras, o início da cura e do reparo do tecido vascular.


Os sinais clínicos que o caracterizam são calor, vermelhidão, inchaço e dor. Bem como, são produzidos por fatores como citocinas, quimosinas, espécies reativas de oxigênio e fatores de coagulação.

Embora a inflamação aguda ocorra como uma reação de defesa, quando persiste com o tempo, torna-se um distúrbio crônico. Todavia, a inflamação contribui para a patogênese de inúmeras doenças e por essa razão é necessario desinflamar o organismo, ou seja, para viver melhor.

dieta para obesidade

Obesidade e inflamação silenciosa

A expressão de genes e uma maior produção de substâncias pró-inflamatórias são diretamente proporcionais à quantidade de tecido adiposo. Portanto, em obesos, existe um estado inflamatório prolongado e crônico que favorece disfunções patológicas.

Entre essas alterações encontramos redução da sensibilidade à insulina, disfunção das células β do pâncreas, doença hepática não alcoólica e aterosclerose. Segundo a OMS, a obesidade definida como excesso de adiposidade prejudicial à saúde, atingiu taxas de incidência comparáveis ​​às de uma epidemia nas últimas décadas.

Obesidade e síndrome metabólica

A obesidade está associada a disfunções multiorgânicas com impacto crônico no nível metabólico (principalmente pancreático, adiposo, hepático, cardíaco e musculoesquelético). Em conjunto, essas alterações determinam a síndrome metabólica.


Este último tem origem multifatorial. Entratanto, é o meio em que vivemos que determina a expressão dos genes com suas respectivas alterações metabólicas. Não podemos falar de meio ambiente sem falar de comida.

Em particular, uma dieta rica em gorduras animais, produtos altamente processados ​​ou com alto teor de açúcar. Bem como, um baixo consumo de frutas e vegetais, estão associados a peso corporal excessivo, aumento de açúcar no sangue, pressão arterial, etc.

O papel da dieta anti-inflamatória

Pesquisas recentes, sugerem e indicam que a dieta anti-inflamatória um papel decisivo na prevenção de uma doença. Bem como, para tratá-la ou reduzir a mortalidade. Ou seja, como falamos com muita frequência, se morre pela boca! Porque é aquilo que pomos na boca que bagunça o organismo e compromete suas funções!

dieta

A dieta mediterrânea tem sido amplamente estudada, em particular sua capacidade de reduzir os biomarcadores da inflamação. Entre essas hiperinsulinêmica, hiperglicemia, dislipidemia, adiposidade central, hipertensão arterial e outros. De acordo com Sears B. et al. (2015), uma dieta anti-inflamatória deve incluir:

  • Integração de ácidos graxos ômega 3 (2-3 g de ácido eicosapentaenóico e docosahexaenóico por dia).
  • Restrição calórica com equilíbrio adequado entre os principais nutrientes (carboidratos, proteínas e lipídios); cálculo feito por nutricionista.
  • Consumo de alimentos vegetais ricos em polifenóis (compostos bioativos responsáveis ​​pela inibição do fator de transcrição NFKB).

Isso permite bloquear os genes que têm a função de produzir substâncias pró-inflamatórias, especialmente na inflamação crônica. Além disso, é ativada a via de sinalização da proteína quinase AMP. Complexo que funciona como detector de energia celular, que participa do balanço energético e promove o consumo de calorias.

Dieta mediterrânea

A saber, a dieta mediterrânea não é um plano alimentar homogêneo ou exclusivo para os países ribeirinhos do Mar Mediterrâneo (Espanha, Itália, Portugal, Grécia, Croácia, entre outros).

Embora compartilhe um alto consumo de frutas, vegetais, grãos inteiros, carnes magras, sementes e azeite. Cada país tem seus próprios hábitos alimentares que são influenciados por fatores socioculturais, religiosos e econômicos.

Portanto, capaz de combater a inflamação. Especificamente, ele regula os fatores associados à síndrome metabólica que descreveremos nas linhas a seguir.

dieta anti-inflamatória

Diabetes

  • Ajuda a reduzir a resistência à insulina.
  • Reduz a concentração de glicose no plasma.
  • Aumenta a produção de incretinas GLP-1 (hormônios intestinais que promovem a produção de insulina).
  • Dislipidemia
  • Reduz o nível de colesterol LDL e triglicérides.
  • Aumenta a produção de colesterol HDL e adiponectina.
  • Ele reduz a reabsorção intestinal de ácidos biliares e colesterol.

Doenças cardiovasculares

  • Diminui a produção de células espumosas envolvidas na formação da placa de ateroma.
  • Regula a pressão arterial sistólica e diastólica.
  • Promove vasodilatação.
  • Melhora a elasticidade dos vasos sanguíneos.
  • Consequentemente, reduz o risco de enfarte do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais.
  • Dieta anti-inflamatória para controle de fatores de risco relacionados à obesidade

Por fim, devemos lembrar que embora a predisposição genética desempenhe um papel importante no desenvolvimento de muitas doenças, o estilo de vida favorecerá seu aparecimento ou ajudará a preveni-las.


A adoção de uma dieta anti-inflamatória, que inclui alimentos ricos em polifenóis e gorduras insaturadas (ômega 3), permite tratar a inflamação, controlar o peso e proteger a saúde. Peça conselhos ao seu nutricionista.

Quando adotamos uma dieta anti-inflamatória, estamos mudando de vida para aumentar a qualidade de vida. O organismo precisa ser saudável, porque o corpo é como um carro. O que acontece se você não cuidar da mecânica do carro?

Fica cheio de problemas, precisa de um mecânico, precisa trocar as peças. Mas tem como ficar trocando as peças do nosso corpo? Claro que não, o transplante é uma cirurgia de alto risco e comporta compatibilidade do órgão com o seu organismo.

Portanto, não seria melhor mudamos o estilo de vida e vivermos mais saudável? Enfim, fica a reflexão para pensarmos, estamos vivendo em um mundo onde o alimento “vazio” tomou conta das mesas. Mas podemos mudar essa história!

Te convidamos a visitar nosso Instagram e nossa Página no Facebook… Se gostou, curta, compartilhe e nos ajude a divulgar conhecimento.


Deixe um comentário

error: Conteúdo Protegido!